Representante da China é preso por roubar 15 mil testes para coronavírus e 2 milhões de máscaras em São Paulo

Representante da China é preso por roubar 15 mil testes para coronavírus e 2 milhões de máscaras em São Paulo

Na tarde do último sábado (11), a Polícia Civil de São Paulo prendeu em flagrante 14 pessoas por furto de testes de coronavírus no bairro Ipiranga, na zona sul da capital paulista.

Os agentes foram informados que 15 caixas, contendo testes laboratoriais para a Covid-19, haviam sido furtadas na noite de quarta-feira (8) do terminal de cargas do Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Durante as diligências, os policiais descobriram que o material furtado tinha sido transportado para um galpão e uma pessoa estaria vendendo os produtos clandestinamente.

Um delegado de polícia se passou por um comprador dos produtos para chegar à carga. No local, diversos suspeitos foram encontrados e alguns deles estavam armados.

Ao todo, 15 caixas com 14.500 kits foram localizadas, assim como um machado, uma faca, moedas chinesas, dólares e reais.

Cinco armas de fogo, sendo uma carabina calibre .40, uma espingarda calibre 12 e três pistolas calibre .380 também foram encontradas. Além disso, havia também 435 caixas de máscaras descartáveis contendo mais de 2 milhões de unidades. Todos os objetos foram apreendidos. Os bandidos pretendiam vender os produtos por R$ 3 milhões.

Líder da quadrilha, Marcos Zheng é representante chinês

O jornalista José Luiz Datena conversou durante o Brasil Urgente deste sábado, 11, com Elisabete Sato delegada-geral adjunta, que confirmou que Marcos Zheng, líder da quadrilha que efetuou o roubo, é representante do governo chinês.

Marcos Zheng apresentava-se como presidente da Câmara de Comércio de Xangai e já participou de reuniões com diversas autoridades públicas brasileiras, incluindo o prefeito de Mogi das Cruzes (SP) e o ex-governador Geraldo Alckmin.

A delegada lembrou que Zheng já havia sido sequestrado meses atrás por um ex-funcionário de própria empresa.

Elisabete recordou que à época da sequestro, recebeu telefonemas da Consulado em São Paulo e da Embaixada da China no Brasil pedindo um esforço adicional resgatar Marcos Zheng.

“Recebemos ligações de pessoas importantes politicamente para que pudéssemos conduzir a investigação com celeridade”, declarou.

FONTE: TERÇA LIVRE